SlideShow

Então pessoal, como todos sabem,
nosso Blog tem um grande público,
decidimos voltar a trabalhar com
publicidades. 
Aumente sua visibilidade anunciando
conosco, quem tiver interesse mande
mensagem para o e-mail de contato! 

email: dimaspereiravalgas@gmail.com

Pacotes mensais tem desconto!
0

Conto de terror

Em meados da década de 80 na pequena cidade no interior de São Paulo avia uma lenda de uma casa amaldiçoada que toda sexta feira 13 a exatamenta ao badalar da meia noite começava a se escuta gritos, gemidos e exatamente as 3 da manha aparecia na sala um caixão e caia do teto mãos, pois bem como era uma lenda qualquer um casal de amigos sabendo da história em uma mesa de bar e também meio alterados com suas branquinhas falaram

- Compadre vamos la ver essa tal casa, passar a noite la

- Bora amigo

Então exatamente no dia 13

CONTÍNUA

0

O Palhaço Maldito

          
0

As coisas acontecem

 A muito tempo atrás , quando eu tinha nove anos , fui escolhida por minha mãe , entre outros irmãos para trabalhar em uma casa de família rica , era uma dessas fazendas antigas onde se cultivava café , fui para lá para "cuidar" ou ser o brinquedo de uma menina de onze anos , ao chegar na tal fazenda , a senhora que cuidava da casa me recebeu de maneira cortez , olhando dentro de meus olhos ela disse : Mais uma . Em seguida me levou até um minúsculo quarto nos fundos da casa , e me alertou , tranque sua porta a noite , sempre , . Os dias foram passando e cada vez q eu era mandada ou quarto da menina de quem eu devia cuidar e a chamava para brincar ela estava sozinha , mas conversava com alguém q eu não via , e me dizia; Vá embora já estou brincando , não está vendo? Eu sem entender nada saia e ia ajudar as moças da cozinha , em meus pensamentos apenas achava que a menina não queria brincar por que eu era pobre . No quarto onde eu dormia havia um retrato de uma senhora que a propósito sempre me levava algo para comer a noite ou beber , já que a comida para os empregados era escassa na linda fazenda , meu estomago sempre
"roncava" de fome , mas coisas esquisitas começaram a acontecer , as noites eu ouvia a menina chorar , era um choro de dor ou algo parecido , tampava os ouvidos , pois pela manhã eu deveria trabalhar , até q em uma das tardes a menina decidiu brincar comigo veio até meu quarto trouxe sua linda boneca de porcelana , com a qual eu me encantei , nem pensei em mais nada só queria brincar , percebi que a menina olhava para o retrato e perguntei o que havia , ela me respondeu , a senhora do retrato é minha avó , eu sorri lembrando que as noites ela me trazia comida , mas a menina completou sua frase dizendo : Ela faleceu a dois anos , o bicho a matou por que ela não queria deixá-lo entrar em meu quarto .Por incrível que pareça eu não senti medo , apenas continuei brincando , mas naquela noite as coisas mudaram , os gritos da menina eram mais e mais altos , por ela ter vindo brincar comigo , tomei coragem e fui defender minha amiga , peguei a vela e segui em direção as escadas que iam para os quartos , passei pelo quarto dos patrões a dona da casa estava de joelhos , murmurava palavras enquanto chorava , estava de olhos fechados , nem sequer me viu , fui devagar até o quarto da menina , ela pedia socorro, e dizia : Pare papai por favor pare , abri a porta mas minha vela caiu , eu vi apenas uma sombra de alguém vindo em minha direção , corri o mais rápido que pude , virei a tramela do quarto , e percebi que alguém tentava abrir a porta , com muito esforço encostei o velho baú que tinha minhas roupas dentro na porta e ali fiquei , era escuro pois minha vela a única que eu tinha ficou pelo caminho , estava frio eu com muito medo , tanto que cheguei a vomitar , enquanto mais uma vez ouvia a menina gritar , mas de repente o silêncio , tudo se aquietou , e logo amanheceu , sai do quarto com medo , mas ... Pessoas de preto circulavam pela casa e um pequeno caixão na sala , mas pela altura não pude ver quem estava dentro , ao lado a menina , estava pálida com um semblante triste , junto com ela um menino , de rosto arroxeado , com o mesmo semblante , a patroa com um vestido negro mantinha suas mão sobre o corpo no caixão , o patrão com rosto rude recebia os cumprimentos , fui até a cozinha e para minha grata surpresa meu pai estava lá , veio me buscar , peguei o pouco que tinha e corri para fora , ao subir no bagageiro da bicicleta do pai , olhei para uma das janelas e vi , o menino que não conheci , a menina e a senhora que me levava comida , estavam na janela e me acenavam com olhos tristes, mas adiante um senhor de carroça pede informações ao meu pai , os dois conversam e ele diz : Veja só, tanto dinheiro pra nada , primeiro o filho de sete anos morre junto com a avó , dizem que caíram da escada e agora a filha morre do mesmo modo , Fim
0

Monsteiro Macabro

A história que contarei a seguir é sobre dois amigos de infância, Pablo e José. Os dois eram mexicanos e andarilhavam em direção de San Juan, um pequeno vilarejo na província de Chiapas.

Estava chovendo muito e os cavalos já estavam inquietos. Pablo observara uma caverna em meio às árvores e exclamou: "Veja José, uma gruta seca. Vamos usá-la como abrigo até a chuva passar." José não titubeou e seguiu seu amigo até a tal gruta. Lá dentro, os dois se abrigaram e acomodaram os cavalos. A caverna era gelada e José sentiu um calafrio que percorreu sua espinha. "Vamos sair daqui Pablo, esta caverna me dá arrepios." Balbuciou José tremendo de frio e medo. "Bobagem! Lá fora podemos até morrer naquele temporal. Aqui nós estamos secos e seguros."Retrucou Pablo.

A chuva não dava nem um sinal de cessar. José estava impaciente e Pablo curioso com a caverna. "Vamos lá para o fundo, estaremos mais seguros lá." Entusiasmou-se Pablo. "Estas louco homem, podemos nos perder naquela escuridão." Protestou José. "Covarde! Vamos lá, seja homem pelo menos uma vez nessa sua vida." Ameaçou Pablo com um sorriso sarcástico. Mesmo temendo pela sua própria vida, José segue o amigo até o fundo da caverna. Pablo, indo na frente, acende um fósforo e se surpreende com o que vê. Jogado ao chão, milhares de moedas de ouro e prata e até algumas jóias que refletiam a luz do fósforo. Junto delas, um esqueleto humano. Pablo dá uma gargalhada e grita."Estamos ricos José, ou melhor, estou rico José!" Virando-se imediatamente para o amigo e apontando a garrucha diretamente para a testa dele. Pablo dá um sorriso e vê o pavor do amigo que suplica."Não Pablo, pelo amor de Deus... nós somos amig...." E um estrondo interrompe a voz de José. Com um tiro certeiro, Pablo espalha os miolos do amigo no chão... "He, he, he...agora o ouro é só meu, todo meu." Recolhendo o tesouro e colocando-o num saco, Pablo já vai até pensando no que fazer com o dinheiro.

O tempo passa e a chuva também. Com o tesouro devidamente embalado, Pablo sai da caverna sorrindo e gozando do cadáver do amigo."Pena que você não poderá se divertir com este dinheiro companheiro." Pablo coloca o saco com o tesouro no lombo do cavalo e ruma para o vilarejo. Chegando lá, ele vai diretamente para uma pensão contabilizar o seu achado. Euforicamente, Pablo sobe para o seu quarto mal podendo conter sua alegria. Já no quarto, o homem tranca a porta e joga o saco no chão. Ao abri-lo, Pablo depara-se com uma cena inesperada e pavorosa. "Não, não pode ser !!!" Agoniza o coitado. Ao invés do tesouro, ele encontrou o cadáver rígido de seu amigo José. 

0

Canal Necrodark

Ola meu queridos , venho informa que o blog Necrodark está no YouTube
aqui está nossa intro espero que curtem e jaja teremos novidades no canal  
 
               
0

A Casa dos mortos





            
0

O que e Exorcismo


Nas culturas egípcia, babilônica, assíria e judaica, atribuíam-se certas doenças e calamidades naturais à ação dos demônios. Para afastá-los, recorria-se a algum esconjuro ou exorcismo. A cultura ocidental recebeu essas idéias através da Bíblia e do cristianismo primitivo.
No cristianismo, exorcismo (do grego exorkismós, "ato de fazer jurar", pelo latim exorcismu) é a cerimônia que visa esconjurar os espíritos maus, forçando-os a deixar os corpos possessos ou dominar sua influência sobre pessoas, objetos, situações ou lugares. Quando objetiva a expulsão de demônios, chama-se Exorcismo Solene e deve fazer-se de acordo com fórmulas consagradas, que incluem aspersão de água benta, imposição das mãos, conjurações, sinais da cruz, recitação de orações, salmos, cânticos, etc. Além disso, o ritual católico do exorcismo pode ser executado por sacerdotes somente quando são expressamente autorizados por bispos.

0

Ecorcismo

:Exorcizamus te, omnis immundus spiritus, omnis satanica potestas, omnis incursio infernalis adversarii, omnis legio, omnis congregatio et secta diabolica, in nomine et virtute Domini Nostri Jesu + Christi, eradicare et effugare a Dei Ecclesia, ab animabus ad imaginem Dei conditis ac pretioso divini Agni sanguine redemptis + . Non ultra audeas, serpens callidissime, decipere humanum genus, Dei Ecclesiam persequi, ac Dei electos excutere et cribrare sicut triticum + . Imperat tibi Deus altissimus + , cui in magna tua superbia te similem haberi adhuc præsumis; qui omnes homines vult salvos fieri et ad agnitionem veritaris venire. Imperat tibi Deus Pater + ; imperat tibi Deus Filius + ; imperat tibi Deus Spiritus Sanctus + . Imperat tibi majestas Christi, æternum Dei Verbum, caro factum + , qui pro salute generis nostri tua invidia perditi, humiliavit semetipsum facfus hobediens usque ad mortem; qui Ecclesiam suam ædificavit supra firmam petram, et portas inferi adversus eam nunquam esse prævalituras edixit, cum ea ipse permansurus omnibus diebus usque ad consummationem sæculi. Imperat tibi sacramentum Crucis + , omniumque christianæ fidei Mysteriorum virtus +. Imperat tibi excelsa Dei Genitrix Virgo Maria + , quæ superbissimum caput tuum a primo instanti immaculatæ suæ conceptionis in sua humilitate contrivit. Imperat tibi fides sanctorum Apostolorum Petri et Pauli, et ceterorum Apostolorum + . Imperat tibi Martyrum sanguis, ac pia Sanctorum et Sanctarum omnium intercessio +.


Ergo, draco maledicte et omnis legio diabolica, adjuramus te per Deum + vivum, per Deum + verum, per Deum + sanctum, per Deum qui sic dilexit mundum, ut Filium suum unigenitum daret, ut omnes qui credit in eum non pereat, sed habeat vitam æternam: cessa decipere humanas creaturas, eisque æternæ perditionìs venenum propinare: desine Ecclesiæ nocere, et ejus libertati laqueos injicere. Vade, satana, inventor et magister omnis fallaciæ, hostis humanæ salutis. Da locum Christo, in quo nihil invenisti de operibus tuis; da locum Ecclesiæ uni, sanctæ, catholicæ, et apostolicæ, quam Christus ipse acquisivit sanguine suo. Humiliare sub potenti manu Dei; contremisce et effuge, invocato a nobis sancto et terribili nomine Jesu, quem inferi tremunt, cui Virtutes cælorum et Potestates et Dominationes subjectæ sunt; quem Cherubim et Seraphim indefessis vocibus laudant, dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus Dominus Deus Sabaoth.

V. Domine, exaudi orationem meam.

R. Et clamor meus ad te veniat.

[si fuerit saltem diaconus subjungat V. Dominus vobiscum.

R. Et cum spiritu tuo.]

Oremus.

Deus coeli, Deus terræ, Deus Angelorum, Deus Archangelorum, Deus Patriarcharum, Deus Prophetarum, Deus Apostolorum, Deus Martyrum, Deus Confessorum, Deus Virginum, Deus qui potestatem habes donare vitampost mortem, requiem post laborem; quia non est Deus præter te, nec esse potest nisi tu creator omnium visibilium et invisibilium, cujus regni non erit finis: humiIiter majestati gloriæ tuæ supplicamus, ut ab omni infernalium spirituum potestate, laqueo, deceptione et nequitia nos potenter liberare, et incolumes custodire digneris. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

Ab insidiis diaboli, libera nos, Domine.

Ut Ecclesiam tuam secura tibi facias libertate servire, te rogamus, audi nos.

Ut inimicos sanctæ Ecclesiæ humiliare digneris, te rogamus audi nos.

Et aspergatur locus aqua benedicta

0

Obras Macabras

Imagine ter em sua parede um quadro nesse estilo, acordar no meio da noite, após um pesadelo e ter que ir até a sala, onde está pendurada a pintura e então se deparar com uma dessas cenas macabras.
Você teria coragem de ter em sua parede um quadro nesse estilo?
Por mais inusitado que pareça, sempre tem alguém interessado nesse tipo de coisa. Intrigantemente assustadora, a arte de Dave Kendall leva até você uma atmosfera misteriosa e demoníaca. O ilustrador é especialista em horror, fantasia e sci-fi; e já foi VJ da MTV.



0

Brincadeira do copo ( jogo do copo)

1- Brincadeira do copo ( jogo do copo)
A brincadeira do copo conhecida também como jogo do copo é uma espécie de invocação, onde reune-se em media 5 pessoas fazendo um circulo e no meio desse circulo coloca-se um tabuleiro com letras e um copo , onde a pessoa faz perguntas a seres do outro mundo e se tiver algum ser ali por perto o copo se mexe sozinho.
Relato verdadeiro
O Junior resolveu “tirar a prova dos nove” como ele disse, e chamou a galera para fazer a “brincadeira”. Aí juntou a maior galera. Eles fizeram uma vaquinha e compraram o copo virgem. Foram para o campo de São bento, lá no fim do campo, perto daquela arvore sinistra que tem umas raízes penduradas gigantes.
Eles se juntaram ali e com folhas do caderno fizeram uma tábua ouija.
Rezaram duas ave-marias e esperaram.
Quando deu o tempo, o Junior fez a derradeira pergunta:
-Tem alguém aí?
-…
0

Os Teus Filhos São Meus

É noite, mas nunca é tão tarde como imaginamos. Havia acabado de chegar em casa. Eu não acredito em fantasmas ou possessões alienígenas. Do que é anterior à espécie. Sempre tratei estes fenômenos como causados de alguma forma pela nossa imaginação, pelo nosso tédio inconformado pelo que já não é suficiente aqui. Depois do jantar eu e a minha mulher estávamos assistindo TV. A nossa varanda tem uma porta de vidro onde uma persiana desce até a metade. Foi quando eu percebi o abalo do que é tão pequeno que chega a ser incomum e perguntei: “De quem é aquele livro ali atrás da porta da varanda?” A minha esposa então se levantou do sofá e respondeu: “ Livro?...Eu não sei!” E chegando mais perto: “Hei! Tem mesmo um livro encostado na porta!” Estranho, eu disse. E me levantei, abri a porta, olhei dentro do silêncio da noite misturado ao acende e apaga azulado da televisão do vizinho saindo pela janela. Me abaixei e peguei o que pensávamos ser um livro, mas que na verdade era um diário escrito a caneta.  E pelo o que eu acreditei ser coincidência a luz vinda da janela do vizinho também se apagou no mesmo instante. Silêncio.
0

O homem que acorda todo dia achando que tem uma consulta com o dentista

Talvez o filme “Feitiço do Tempo” não fosse tão absurdo quanto parece. Um homem, conhecido apenas como William, pode se lembrar de tudo em sua vida até às 13h40 do dia 14 de março de 2005. Esse é o momento em que ele recebeu anestésico antes de um tratamento de canal de rotina. Desde aquele momento fatídico, o britânico, agora com 48 anos, só consegue armazenar suas memórias por 90 minutos. No entanto, William não mostra nenhum sinal de dano cerebral, o que deixa neuropsicólogos perplexos sobre a causa de sua curiosa doença.

Os sintomas de William são semelhantes ao dos pacientes que sofrem de amnésia anterógrada. Este tipo de amnésia é causado por danos a determinadas regiões do cérebro e resulta em flashes curtos de consciência, bem como perda de memória completa e rápida. Os peritos acreditam que a amnésia de William poderia ser um colapso da síntese de proteína no cérebro.

Ainda que William consiga se lembrar de sua vida até 2005, ele não sabe o que aconteceu mais de uma hora e meia atrás. Ele administra sua vida diária e permanece orientado através do acesso contínuo a um diário e avisos eletrônicos.

0

 A mulher que acordou em um freezer mortuário, e congelou até a morte em seguida

 Em 2010, Maria de Jesus Arroyo foi declarada morta no White Memorial Medical Center, em Los Angeles, nos EUA, depois de ter uma parada cardíaca. No entanto, a “falecida” de 80 anos ainda estava muito viva.

De acordo com documentos judiciais, ela foi encontrada em um saco (recipiente para corpos) virado para baixo. O saco estava meio aberto e seu rosto machucado. Ela tinha um nariz quebrado, inchaços e contusões.

Um patologista determinou que a senhora não tinha morrido de um ataque cardíaco, mas sim de asfixia e hipotermia depois de ter sido colocada no necrotério. A família de Arroyo, que processou o hospital, alegou que ela acordou dentro do congelador mortuário e morreu depois de não conseguir sair. Seus ferimentos eram consistentes com alguém que teria se debatido.

“O frio do necrotério do hospital a acordou e ela estava lutando para sair dali quando morreu”, afirma o advogado da família. O hospital, desde então, nega qualquer irregularidade.